Terraceamento: estrutura de proteção contra erosões do solo

2 04 2011

Proteção contra erosões: um complemento necessário para a sistematização da área de produção.

A erosão hídrica dos solos brasileiros tem atingido índices alarmantes. Levantamentos realizados indicam que o Estado de São Paulo perde a cada ano 194 milhões de toneladas de terras férteis, o que representa, em termos de nutrientes, o equivalente a um prejuízo da ordem de 200 milhões de dólares. Em termos de água, perde-se por ano, em forma de enxurrada, um volume de 10 bilhões de metros cúbicos, quantidade esta suficiente para o abastecimento de 100 milhões de habitantes em um ano. Além dessas perdas, que colaboram para a queda de produtividade nas áreas de cultivo, a erosão tem gerado outros danos diretos ao meio ambiente, tais como a poluição e o assoreamento dos cursos de água, de represas e de açudes.

Para um aumento de eficiência no controle dos processos erosivos têm se utilizado várias tecnologias que visam aumentar a cobertura vegetal do solo e a infiltração de água no seu corpo. Nos casos onde a combinação dessas tecnologias é insuficiente costumam-se utilizar práticas mecânicas, em que se recorre a estruturas artificiais, mediante a disposição de diques de terra no sentido transversal das vertentes, visando à quebra da velocidade de escoamento da enxurrada e o conseqüente aumento de infiltração ou condução das águas excedentes das chuvas no solo.

Dentre as práticas de caráter mecânico, o terraceamento tem sido indicado como um dos sistemas mais eficientes na diminuição de perdas de água e solo em áreas cultivadas. Entretanto, para o êxito nesse mister, o planejamento de um sistema de terraços deve levar em conta o correto dimensionamento dos espaços entre os mesmos e de suas seções transversais, sem o que, essa prática poderá tornar-se um fator agravante dos processos erosivos. O preparo conduzido de forma racional pode permitir alta produtividade das culturas; irracionalmente utilizado pode levar um solo à sua destruição completa, em apenas alguns anos de cultivo intensivo.

O Serviço de Conservação de Solos dos Estados Unidos define terraço como um dique e um canal, ou uma combinação de diques e canais, construídos transversalmente ao sentido de uma rampa (vertente), com o intuito de diminuir a velocidade da enxurrada e a conseqüente desagregação e arraste das partículas. Atualmente existem algumas classificações quanto à função, o tipo de construção e as dimensões dos terraços agrícolas. Os terraços, quanto à sua função, podem ser de dois tipos:

§  terraço de armazenamento, o canal do terraço é em nível e toda a água coleta da enxurrada é infiltrada. Para isso  constroem-se os terraços com suas extremidades fechadas. Esse tipo de terraço aplica-se em solos com boa permeabilidade, profundos e com baixo gradiente textural em seu perfil.

§  Terraço de drenagem: com gradiente no canal, onde a água que excede à infiltração natural dos solos deve ser disciplinadamente conduzida aos canais escoadouros naturais ou artificiais, localizados nas extremidades dos canais.

Quanto à forma de construção dos terraços para a formação do canal e do camalhão devem se levar em consideração as máquinas e implementos disponíveis. A movimentação de terra pode ser feita de duas maneiras, dando origem a dois tipos básicos de terraços:

§  Nichols: construído cortando-se a terra e movimentando sempre de cima para baixo; portanto a terra que forma o camalhão é retirada da faixa imediatamente superior, resultando nela o canal, tendo em vista que o camalhão é formado através de tombamentos sucessivos sempre para baixo.

§  Mangum: construído “tombando” de cima para baixo e de baixo para cima,  ora num sentido ora no outro, alternadamente.

Quanto à largura da faixa de movimentação de terra (dimensão), os terraços podem ser classificados em :

§  Base estreita: também conhecido como cordões em contorno, de uso restrito a pequenas lavouras, em terrenos inclinados.

§  Base média: de 3 a 6 m de largura, podendo ser cultivados na maior parte de sua extensão.

§  Base larga: de 6 a 12 m de largura, considerados os verdadeiros terraços, sendo recomendados para lavouras extensas, com declives de até 8%

Para o correto dimensionamento de terraços deve-se levar em consideração a declividade média da área, comprimento da vertente, cultura a ser estabelecida, cobertura vegetal, volume esperado de água, entre outros. aspectos importantes para a eficiencia de todo sistema. Sem duvidas fica evidente a importancia de um adequado projeto de conservação de solo utilizando estruras de contenção como o terracemaneto, para uma adequada sistematização de operações mecanizadas na área. Nos próximos artigos serão abordados assuntos referentes as máquinas, equipamentos e implementos necessários para a implementação de terraços agrícolas.

 

 

About these ads

Ações

Information

4 responses

13 06 2012
Leonardo

ai maneiro!!!

13 06 2012
Leonardo

valeu cara

8 02 2013
Gabriel

Não, falando sério, isso me ajudou, em questões de geologia.

30 08 2013
andreia

muito bom!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: